Diversas investigações estão em curso para desmascarar empresas e grupos criminosos que modificam e vendem a bebida como um produto de boa qualidade É prática comum entre as mães brasileiras “empurrar” mamadeiras e copos de leite às crianças pensando nos nutrientes que vão ajudá-las a crescer fortes e saudáveis.

O que poucas mães sabem é que seus filhos podem estar ingerindo junto com o leite outras substâncias que não fazem tão bem assim à saúde, como ureia, soda cáustica, água oxigenada e cal virgem. Em 12 meses, uma operação conjunta do Ministério da Agricultura (MAPA), Ministério Público do Rio Grande do Sul, Polícia Federal e Poder Judiciário confiscou milhões de litros de leite contaminado e 32 caminhões-tanque saíram de circulação. Vinte e seis pessoas foram denunciadas, sendo que 13 foram presas e quatro estão em liberdade provisória. Os processos na cidade de Ibirubá (RS) foram os únicos já concluídos em primeira instância e seis pessoas tiveram suas sentenças decretadas – uma delas chegou a ser condenada a 18 anos e seis meses de cadeia em regime fechado. O que parecia ser o fim de um pesadelo, na verdade, pode ser o início de um grave problema nacional - e o grande vilão pode estar na prateleira de qualquer mercadinho ao lado de casa.

No decorrer do último ano, a apuração do Ministério Público rio-grandense não revelou apenas que transportadores e comercializadores de leite estavam adulterando a bebida no Estado, mas também que a prática é nacional. “Aqui nós só descobrimos a ponta do iceberg. Não podemos ultrapassar as fronteiras do Rio Grande do Sul para investigar o assunto, mas já temos informações de que isso acontece em larga escala em várias regiões do país”, contou ao site de VEJA Mauro Rochenbach, especialista em crimes do Ministério Público (MP-RS) que acompanha o assunto desde o início. O órgão já enviou informações coletadas de escutas telefônicas, laudos químicos, depoimentos e apreensão de documentos para os ministérios públicos de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Esses três Estados recebem o leite de laticínios do Rio Grande do Sul, além de haver indícios de serem locais de ação de outros fraudadores.

No mês passado, a LBR precisou fazer um recall de caixinhas das marcas Parmalat e Líder, depois de identificar que aproximadamente 300 mil litros de leite estava contaminado com formol. Os lotes, fabricados no Rio Grande do Sul, teriam sido vendidos aos Estados de São Paulo e Paraná, especificamente nas cidades de Guaratinguetá (SP) e Lobato (PR).

Segundo dados do Procon-SP, em 2013 houve também recall das empresas Vonpar Alimentos, da marca de leite Mumu, e Goias Minas Indústrias de Laticínios (leite Italac). O órgão chegou, inclusive, a recolher em diferentes pontos de venda amostras de diversos lotes de leites das marcas Parmalat, Italac, Líder, Mumu e Latvida, mas os testes não revelaram presença de formol e nem diluição em água.

A operação 'Leite Compensado', como foi chamada, completou um ano na semana passada, mas ainda está longe de acabar. Conforme apurou o site de VEJA, outras investigações no Rio Grande do Sul estão em andamento - o que deve levar a mais prisões e laticínios fechados nos próximos meses. No Paraná, o MP local confirmou que há dois inquéritos paralelos sobre a indústria leiteira, o mesmo acontece em Santa Catarina. O coordenador-geral de inspeção do MAPA, Luiz Marcelo Martins Araújo, afirmou que informação sobre novos inquéritos é confidencial e que não poderia adiantar nada sobre investigação. Contudo, ele disse que as fiscalizações na cadeia do leite e em outros produtos de origem animal são constantes e independem de uma operação como a Leite Compensado. fonte; http://veja.abril.com.br/noticia/economia/problema-de-leite-contaminado-extrapolou-rs-e-pode-ser-nacional

Voltar